29 de ago de 2011

Chic List

QUEM?Sarah Jessica Parker.
ONDE?Moscou, Rússia na pré-estréia do filme Eu  não sei como ela faz isso.
O QUE?Um vestido bustier vermelho coberto com capa coleção coordenada de Haute Couture 2011/12 Giambattista Valli.

25 de ago de 2011

Job Fashion






Roupas para trabalhar. A dúvida apresenta-se sempre na cabecinha de muitas profissionais,principalmente aquelas que trabalham em ambientes formais. A ideia é mostrar looks viáveis quando o escritório pede um dress code mais formal, mas sempre com informação de moda e um toque moderno, para espantar a caretice.
 A palavra de ordem é adequação e, não, negação, ok?!Você não precisa acabar com sua feminilidade só porque trabalha num ambiente predominantemente masculino, não precisa esconder sua idade pra passar a imagem de profissional responsável e também não precisa se “fantasiar” para ir ao trabalho só porque o dress code da empresa é formal.
Por sinal, o fato de você saber se adequar ao ambiente, as situações e às pessoas é uma qualidade muito valorizada em qualquer tipo de emprego, já que demonstra que você respeita “as diferenças”, é atenta e flexível. 

16 de ago de 2011

Anos 70












Já afirmei por aqui que a moda é um meio de comunicação social pelo qual os indivíduos interagem visualmente. Reflete não apenas o momento em que estamos inseridos, como também integra a identidade dos grupos sociais. Resolvi escrever um pouco sobre épocas isoladas da moda .
Durante a década de 1970, surgiram distintos grupos de pessoas e de ideologias que possuíam no vestir uma maneira de reconhecerem-se como um grupo.
A moda é uma forma de expressão cultural essencialmente coletiva. Através das mensagens transmitidas por ela, os indivíduos mantêm uma comunicação não-verbal que pode ou não ser intencional.
Por meio do vestuário as pessoas afirmam-se como parte do coletivo, como iguais aos demais, mas é através das roupas que elas buscam a individualidade, buscam ser diferentes dos demais. 
Pode-se dizer que na moda a década de 1970 começou no final da década de 1960, mais especificamente em 1968, quando jovens norte-americanos protestaram contra a guerra do Vietnã (1958-1975) e colocaram flores nos canos dos revólveres dos policiais norte-americanos.
Nasceu aí o Flower Power (Poder da Flor), um dos slogans do movimento hippie.
Em 1969 houve o festival de Woodstock, que foi um dos grandes responsáveis pela difusão e popularização dos conceitos de vida dos hippies para os jovens de todo o mundo.
E assim delineou-se uma nova atitude e uma nova moda para o início da década de 1970. A partir desses fatos, a juventude impõe-se na sociedade e defende suas ideologias.

A moda que identifica os anos 70:


  • Jeans e calças militares usadas com enormes bocas de sino, tachinhas, bordados e muitos brilhos

  • Camurças com franjas;

  • Estilo apache;

  • Estilo safári;

  • Colares de contas miçangas, bijuterias étnicas;

  • Saias e calças de cintura baixa com cintos largos ou de penduricalhos;

  • Estampas florais, Pucci e psicodélicos em quantidade;

  • Roupas artesanais, materiais naturais e tinturas caseiras;

  • Bolsas de crochê ou com franjas com alças a tiracolo;

  • Botas de camurça e sandálias de plataforma;

  • Saias longas, estampadas, estilo cigana e muita interferência de brilhos e plumas nas roupas, se acentuando no final da década de 60 em uma forte inspiração dos anos 1930 em todas as formas de arte.

  • Gorilla arms







    E quem teria pensado que King Kong, um dia, tornaria-se um ícone de estilo?rsrsrsrsr...Pois!Pois! Mangas volumosas de peles selvagens dominam o Outono-Inverno, com uma estética que lembra o dos primatas. Mas muito mais glamour.

    11 de ago de 2011

    Indígena trends

    Antes de adentrar no tema,acredito ser necessário esclarecer alguns conceitos. Moda ,vestuário,indumentária e enfeites constituem sistemas de significados no qual se constrói e se comunica uma ordem social.Pode ser considerado como um meio pelos quais os grupos comunicam sua identidade como grupos sociais a outros grupos sociais. Se definirmos cultura como a descrição de um modo de vida que que engloba e se expressa através de significados e valores,e que estes significados são expressos não só através da arte e do saber,mas também nas instituições e no comportamento habitual(o que engloba a moda,o vestuário e o adorno),como também as idéais de mudanças da moda e das diferenças podemos chegar as seguintes conclusões:

    O olhar do indivíduo não é treinado para perceber as influências sutis na moda das diversas culturas existentes no mundo,entretanto se tivermos um olhar atento e estudioso veremos peças,acessórios,materiais,cores,etc que eram usados apenas por um pouco,mas que hoje foi incorporado à moda. Isto também acontece com a cultura indígena,porém esta percepção de que seus valores foram incorporados aos valores ocidentais,a moda ocidental(reinante),é mais lenta e difícil de ser assinalada por causa do longo processo de exploração e desvalorização do índio. Exemplificando: As calças do índio norte-americano que foram incorporadas ao estilo cowboy norte-americano e ainda não é raro ver pelo mundo afora vestimentas que tiveram a influência da indumentária Maia,com seu estilo de cores fortes e de desenhos ou símbolos sagrados.

    O assunto não acaba por aqui..voltarei a abordar o tema em outros posts...é muito prazerosa esta linha de pesquisa.









    Padrões de beleza (Evidência da beleza Indígena)










    Há mais de 500 anos, no Brasil, a formosura estava ligada à pureza.A beleza das índias não passou despercebida por Pero Vaz de Caminha, que as descreveu como "moças bem moças e bem gentis, com cabelos pretos e compridos e sem vergonha alguma".
      Na mesma época, na Europa, o modelo renascentista valorizava a pele branca, o cabelo ondulado e o corpo robusto sem ossos à mostra - considerados sinal de doença.
      No Brasil, vastas e ostensivas ancas já eram extremamente valorizadas, só que como verdadeiras "insígnias aristocráticas".Símbolo da mulher sexuada, desejável e fecunda.
      A moda das loiras surgiu no Brasil, por influência da chegada das bonecas francesas e das prostitutas polonesas.O "fenômeno" teve início logo após a proclamação da República e foi reforçado pelo ideal de "branqueamento" da raça, perseguida pela elite.
      Na Europa, do século 18, pés pequenos, finos e terminado em ponta eram atração sexual; emblema da vida de ócio, determinava um grupo social em que as mulheres pouco caminhavam e , portanto, se diferenciavam das escravas, donas de pés grandes e largos.Não à toa, o príncipe do conto de fadas se curvou ao minúsculo sapato de cristal da gata borralheira. Trago fotos da beleza Índigena,encontrada em nosso Brasil ,antecedendo o post que estou elaborando sobre elementos do vestuário e trajes indígenas que já foram usados por alguns designers. É um grande universo a explorar.

    8 de ago de 2011

    Metallized, é pura mania.













    Magia da moda brilho nas noites do verão 2012. Ouro e prata são destaque no elenco das tendências, pulverizadas em bolsas e sapatos. Cascatas de couros e tecidos de brilho. O metálico é um verão clássico, mas repare o olhar total em favor dos pequenos toques que iluminam o olhar. Para você, shopping idéias que fará acompanhar a moda. Comecem a cuscar as liquidações e recolher peças metalizadas,rsrsrsrs.

    4 de ago de 2011

    O comprimento midi é a sacada da vez no verão 2012

    O comprimento midi é uma das tendências mais fortes do verão 2012 segundo as passarelas nacionais, mas não é unanimidade entre as brasileiras. Esse comprimento fica bem interessante em mulheres jovens. Já em uma mulheres com 50 ou 60 anos pode ser bem perigoso.




    É um comprimento difícil, mas, se usado de um maneira divertida, pode ficar bem feminino e moderno. Adoro com uma cintura bem marcada com cinto fino, sandália de plataforma e salto grosso.Nunca use com rasteira e blusa larga, envelhece.Aconselho,ainda a bolsa carteiro como aposta certeira para complementar o visual.